Foto: Gil Leonardi / Imprensa MG

 

A exoneração do secretário Estadual de Saúde de Minas Gerais, Carlos Eduardo Amaral, e do secretário-adjunto, Marcelo Cabral, foi publicada no Diário Oficial, neste sábado (13). Ambos foram removidos do cargo após polêmica envolvendo um suposto caso de “fura fila” da vacina de Covid-19, o qual está sendo investigado pelo Ministério Público.

Em seguida, o governador Romeu Zema empossou nesta segunda-feira (15/3), na Cidade Administrativa, o novo secretário de Estado de Saúde, Fábio Baccheretti. Com longa trajetória no Sistema Único de Saúde (SUS), o secretário atuou por quase uma década no Hospital Júlia Kubitschek, e vinha ocupando o cargo de presidente da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig).

Durante a cerimônia de posse, Fábio Baccheretti ressaltou seu compromisso com o Sistema Único de Saúde (SUS). O médico também atua como plantonista no Hospital Santa Casa de Belo Horizonte, função que manteve mesmo no período em que foi presidente da Fhemig.

“É um momento único para a Saúde pública em toda sua história e um grande desafio que me foi dado. A minha história, desde quando me formei, em 2010, é completamente vinculada ao SUS. Na Fhemig tentamos, junto com a Secretaria de Saúde, fazer um grande trabalho nesta pandemia. Foram mais de 200 leitos abertos de Unidade de Terapia Intensiva. Chegar hoje à secretaria, como médico, é o ápice da minha intenção de fazer o bem para a sociedade. Espero mesmo que as minhas decisões sejam acertadas. Conto com uma equipe muito técnica, muito forte”, afirmou.