Foto: Eugênio Savio

 

Dois exemplos máximos do Classicismo sinfônico serão apresentados pela Filarmônica de Minas Gerais, no dia 27 de maio, às 20h30, na Sala Minas Gerais. De Mozart, sua última sinfonia, a Sinfonia nº 41 em Dó maior, K. 551, “Júpiter”. De Beethoven, a exuberante Sétima Sinfonia, cujo impulso rítmico obstinado levou Wagner a descrevê-la como a “apoteose da dança”.

Aregência é do maestro Fabio Mechetti, Diretor Artístico e Regente Titular da Filarmônica de Minas Gerais. Por enquanto, a autorização para a retomada das atividades da Orquestra não prevê a presença de público na Sala Minas Gerais. Por isso, o concerto terá transmissão ao vivo aberta a todo o público pelo canal da Filarmônica no YouTube.

Durante a apresentação, haverá um intervalo de 20 minutos, quando serão realizados os Concertos Comentados, palestras em que especialistas comentam o repertório da noite. A curadoria do projeto é de Werner Silveira, e a convidada é a Professora da Escola de Música da UFMG, Doutora em Educação Musical pela Universidade de Londres, Heloísa Feichas.