Foto: Adobe Stock

 

Dados recentes divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que o setor de construção civil demonstrou no terceiro trimestre de 2019, um crescimento de 4,4% frente ao resultado de 2018. Essa é a melhor performance da área desde o primeiro trimestre de 2014, em comparação com o mesmo período do ano anterior.

Com este desenvolvimento do segmento se fazem cada vez mais necessários, novos equipamentos, materiais e processos que tornem as obras e reformas mais ágeis, práticas e seguras, e é aí que entra a tecnologia. Assim como em diversos outros campos de trabalho, ela também está bastante presente na construção civil.

De acordo com o diretor comercial da empresa de revestimentos sustentáveis, Ecogranito, Renato Las Casas, a aplicação de inovações tecnológicas no setor se deve ao surgimento do conceito de indústria 4.0. “Essa possível quarta revolução industrial é a responsável por implementar na rotina de trabalho equipamentos como os drones, cobots, sensores, impressora 3D e dentre outros. Entre as principais características deste novo momento estão a automação de tarefas, o armazenamento de dados e informações, e a simplificação de procedimentos industriais”, ressalta.

Segundo Renato, o uso de novas tecnologias na construção civil pode proporcionar grandes vantagens, que contribuem para o aprimoramento do tempo e qualidade de uma edificação. “Um bom exemplo deste tipo de modernização é o nosso produto, que por meio de uma técnica japonesa, reaproveita os resíduos gerados pela exploração de jazidas de granito e mármore, e oferece uma infinidade de possibilidades de aplicações.  Com uma aparência bastante semelhante ao granito, o Ecogranito consiste em uma massa acrílica que pode ser personalizada com a cor de desejo do consumidor e possui somente um quarto do custo e 7% do peso da rocha ornamental”, aponta.

Estas inovações permitem a prevenção e diminuição do risco de ocorrência de falhas humanas ao longo de uma obra, garantem um maior controle sobre o andamento da mesma e proporcionam um cálculo mais preciso de gastos e tempo empregado. Isso gera uma redução de custos, pois a prevenção de erros é contínua, e além disso, apenas materiais e outros aportes necessários serão adquiridos durante esse período”, destaca.

De acordo com Renato, ao promover a utilização de maquinários adequados, esta modernização industrial possibilita um aumento significativo da produtividade e aceleração de várias práticas. “É fácil entender como isso acontece. Todo o trabalho realizado manualmente agora acontece por meio de uma máquina, ou com o auxílio de uma, permitindo a elevação da capacidade laboral dos funcionários em outras áreas”, comenta.

Outro benefício oferecido por estes tempos de evolução tecnológica no setor de construção civil é a ampliação do potencial de armazenamento de informações sobre uma obra por meio da utilização de softwares especializados. “É possível ter acesso diário a estes tipos de dados de forma mais segura e fácil. Estes programas ajudarão a compreender em qual pé está a obra e quanto falta para o seu término. E ainda podem auxiliar no monitoramento de atividades, segurança dos trabalhadores e redução no risco de acidentes”, salienta.

Por fim, Las Casas lembra que é essencial que as empresas capacitem seus funcionários para que trabalhem lado a lado com a tecnologia. “A questão não é substituir o trabalho manual, mas sim adaptá-lo para que ocorra a diminuição de custos e o aumento de produtividade”, conclui.

%d blogueiros gostam disto: