Raul Monteiro foi ao evento vestido de anjo, buscando paz. Ele lembrou do atendo em Orlando, no último mês e lastimou as vítimas.

Raul Monteiro foi ao evento vestido de anjo, buscando paz. Ele lembrou do atentado em Orlando, no último mês e lastimou as vítimas.

A 19ª edição da Parada Gay de Belo Horizonte tomou conta das ruas do Centro da cidade, no domingo, dia 17 de julho. O evento, segundo dados da polícia militar, reuniu cerca de 20 mil pessoas, tendo seu início na Praça da Estação e desfecho na Avenida Afonso Pena.

20 mil pessoas. Um número bastante considerável. Dado este montante, fica a dúvida: O que estas pessoas estavam fazendo nas ruas? Quer saber? O Contorno de BH explica para vocês.

Thérèsse Cibaka é heterossexual, mas mesmo assim foi a Parada LGBT. Sua intenção é pedir respeito aos amigos que são homossexuais.

Thérèsse Cibaka é heterossexual, mas mesmo assim foi a Parada LGBT. Sua intenção é pedir respeito aos amigos que são homossexuais.

PRECONCEITO. Uma palavra feia e de significado triste. Porém, era esta a expressão que os participantes colocavam ao tratar o objetivo do evento. Quem foi a Parada LGBT, foi para erradicar um conceito minoritário e mostrar o valor de certos cidadãos que são menosprezados por um padrão antiquado e que não deveria existir.

Há quem diga que o evento é um carnaval fora de época ou uma oportunidade para os gays se xavecarem. Não é isto! Retorno a palavra feia descrita anteriormente – preconceito. Preconceituosos estes que acreditam neste argumento.De longe, não foi este o objetivo do movimento.

Jonatan Vieira diz que o fervo é luta e foi a parada gay porque acredita que Parada é uma manifestação onde o corpo é livre e o indivíduo pode ser o que desejar ser.

Jonatan Vieira diz que o fervo é luta e foi a parada gay porque acredita que Parada é uma manifestação onde o corpo é livre e o indivíduo pode ser o que desejar ser.

A Parada LGBT, seja em BH ou em qualquer outra cidade do mundo, é uma oportunidade de alívio, onde os participantes têm um breve momento conciliação fora dos olhares julgadores de uma sociedade atarraxada a valores que não participam do atual contexto social. Valores estes que contrariam a intenção do primeiro artigo de nossa constituição, a liberdade.

Diogo Silvo foi a Parada LGBT para celebrar a diversidade e provar que o homonexualismo não é construído sobre a vulgaridade.

Diogo Silvo foi a Parada LGBT para celebrar a diversidade e provar que o universo gay não é construído sobre a vulgaridade.

Os gays querem apenas frequentar os espaços públicos sem o medo da violência. Querem apenas serem livres. Nós pagamos pagamos impostos referentes a segurança pública, onde esta reposição dessa parcela que deveria impedir atentados homossexuais?

Há vários reveses para a liberdade. Um deles é a homofobia. Quer atitude anti-liberalista maior do que a violência contra uma pessoa pelo simples fato de ela ser diferente de você, caro leitor? Deve ser lastimável viver assim. Caminhar contra uma corrente que não foi capaz de aceitar o novo mundo que tem surgido.

O casal Rafael Felipe e Matheus Rodrigues disseram que foram a Parada para mostrarem que existe, que são pessoas comuns e que são feliz com sua opção sexual.

O casal Rafael Felipe e Matheus Rodrigues disseram que foram a Parada para mostrarem que existe, que são pessoas comuns e que são feliz com sua opção sexual.

É esta a pressão que os gays passam todos dias antes de sair de casa: “será que hoje eu volto inteiro?”, eles devem pensar. Considerem ‘inteiro’ como representação para o estado corporal físico e psicológico. Nem sempre a agressão física é a pior forma de agressão. Há também a hostilidade, que fere, não com sangue, o corpo e deixa uma ferida que nenhum remédio pode curar. O fator psicológico é importante e deve ser levado em consideração.

Pâmela Oliveira vestiu com a bandeira arco-íris e foi a Parada LGBT para defender seus direitos e afirmar que é uma cidadã com os mesmos direitos que qualquer outro.

Pâmela Oliveira vestiu com a bandeira arco-íris e foi a Parada LGBT para defender seus direitos e afirmar que é uma cidadã com os mesmos direitos que qualquer outro.

Opressão, agressão, humilhação e exclusão são situações que este sistema separatista no qual vivemos obrigam os gays a viverem. Desta fora, manter um controle emocional e tentar escapar do papel de vítima fica difícil. Não é possível correr se não um chão para se pisar. Dada essa realidade, surge então um outro porquê: o por que viver assim?

Mesmo depois de tantos movimentos liberalistas, como os impasses iluministas, ainda há minorias buscando inserção na sociedade. Ser gay, ser mulher, ser negro as vezes é sinônimo de afastamento ou deboche. Minorias são avaliadas e massacradas por apenas não seguirem o fluxo social. Como se for diferente é ser um sinônimo de anormalidade, aposto para a violência.

Tomo a liberdade de assumir a primeira pessoa para lembra-los: Queridxs, estamos no Século XXI. O mundo não é o mesmo pelo qual caminhou Nabucodonosor, Cleópatra, Júlio Cesar e Hitler. Os costumes mudaram. A sociedade mudou. Não há um porquê de manter falsos valores éticos sendo que nossas rotinas e afazeres desmitificam o passo-a-passo que tais valores necessitam para existir.

Andressa Barone foi a Parada LGBT e nos contou que as travestis são tão capacitadas para trabalhar quanto qualquer um. Sua reivindicação é para a ingressão das travestis no mercado de trabalho.

Andressa Barone foi a Parada LGBT e nos contou que as travestis são tão capacitadas para trabalhar quanto qualquer um. Sua reivindicação é para a ingressão das travestis no mercado de trabalho.

Hoje, a Parada LGBT terminou e os gays voltaram felizes para casa, mas e o amanhã? Será que estes participantes também terão a segurança de andarem na rua com a sua liberdade de gênero? Será que o presente evento é suficiente para educar os agressores e exterminar vítimas de desigualdade sexual?

Gabriel Souza se fantasiou e foi a aprada gay. O jovem diz querer mostra a sociedade que o que difere as pessoas é o carácter.

Gabriel Souza se fantasiou e foi a aprada gay. O jovem diz querer mostra a sociedade que o que difere as pessoas é o carácter.

E no meio de tantos porquês e tantas perguntas que aguardam o amanhã para serem, torno utilizar a primeira pessoa para lhes convido a uma refletir: vale mesmo a pena agredir uma pessoa porque ela é diferente de você?

 

 

 

O Deputado Federal Reginaldo Faia, o famoso Mancha, também foi ao evento. Em entrevista para O Contorno, Reginaldo afirmou que vivemos um momento difícil no mundo e clamou por uma mundo melhor e livre de preconceito.

O Deputado Federal Reginaldo Lopes, o famoso Mancha, também foi ao evento. Em entrevista para O Contorno, Reginaldo afirmou que vivemos um momento difícil no mundo e clamou por uma mundo melhor e livre de preconceito.