Setembro foi um mês de vitória para as indústrias de Minas. Após recessão durante todo o ano, a produção industrial cresceu 2% no período e comparado ao mês anterior, segundo dados do IBGE.

Mas nem tudo são flores. Na comparação com setembro de 2015, a indústria mineira recuou -1,8%, marcando a 30ª taxa negativa. Houve queda em apenas cinco das treze atividades pesquisadas e a principal influência negativa sobre a média foi observada nas indústrias extrativas (-11,8%), pressionada pelos itens minérios de ferro em bruto ou beneficiados.

Este gráfico do IBGE exemplifica como anda a produção industrial de Minas Gerais (foto: IBGE).

Este gráfico do IBGE exemplifica como anda a produção industrial de Minas Gerais (foto: IBGE).

Outros recuos importantes foram observados nos ramos de produtos de fumo (-34,7%), de produtos minerais não-metálicos (-9,0%), de produtos de etal (-9,7%) e de máquinas e equipamentos (-15,5%). Por outro lado, o setor de produtos alimentícios (5,9%) exerceu a principal influência positiva sobre o total da indústria mineira.

Vale citar também os impactos positivos registrados por outros produtos químicos (18,8%), celulose, papel e produtos de papel (29,1%), metalurgia (1,9%) e bebidas (8,0%). Na análise trimestral, o terceiro trimestre do ano (-3,8%) assinalou queda menos intensa do que a observada no período abril-junho de 2016 (-5,5%), ambas as comparações contra iguais períodos do ano anterior.

É bom destacar que, pelo décimo primeiro mês seguido, o desempenho negativo do setor extrativo mineiro foi especialmente influenciado pelo rompimento de uma barragem de rejeitos de mineração na região de Mariana. O acidente completou 01 ano no último dia sábado, 05 de novembro.