Mais uma importante exposição estreia no salão principal do Museu Inimá de Paula neste ano. Em dezembro, o público poderá conferir 33 pinturas de Alfredo Volpi, uma das figuras mais influentes no cenário artístico brasileiro do século 20, considerado pela crítica como um dos nomes mais importantes da segunda geração do modernismo. A mostra apresenta um panorama da longa carreira do pintor, com obras das décadas de 1940 a 1980, incluindo a popular série “Bandeirinhas”, marca registrada do artista.

Uma das obras da exposição (foto: Galeria Aleira Dale).

Uma das obras da exposição (foto: Galeria Aleira Dale).

A exposição de Volpi é mais um capítulo da valiosa parceria entre o Museu Inimá de Paula com a Galeria de Arte Almeida e Dale, de São Paulo. O intercâmbio entre as duas instituições foi responsável por trazer a Belo Horizonte, recentemente, peças de Fernando Botero, que levou ao Inimá de Paula um público recorde de mais de 40 mil pessoas.

As peças que chegaram a Belo Horizonte estiveram, de 11 de junho a 29 de agosto deste ano, expostas na renomada galeria Cecilia Brunson Projects, em Londres, na primeira individual de Volpi no Reino Unido. Agora, o Brasil recebe a maior exposição em número de obras do artista.

A mostra será aberta ao público no dia 3 de dezembro e ficará em cartaz até meados do primeiro semestre de 2017.  A entrada é gratuita. As visitas educativas, porém, deverão ser feitas com agendamento prévio, através do telefone (31) 3213-4320.

 

Alfredo Volpi

Volpi está entre poucos artistas no Brasil que receberam tamanho reconhecimento e consideração, com livros e retrospectivas sobre seu trabalho, além de contar com uma legião de fãs - era admirado pelo movimento concretista e foi elogiado pelos críticos proeminentes da época, incluindo Herbert Read e Mário Pedrosa. (foto: Galeria Almeida Dale).

Volpi está entre poucos artistas no Brasil que receberam reconhecimento e consideração. Também era admirado pelo movimento concretista e foi elogiado pelos críticos proeminentes da época, incluindo Herbert Read e Mário Pedrosa. (foto: Galeria Almeida Dale).

Pintor autodidata, de origem humilde, Volpi nasceu em Lucca, na Itália, em 1896, mas emigrou com seus pais em 1898 para o lugar que viria a se tornar sua casa ao longo da vida: São Paulo.

Começou a pintar murais decorativos em 1911. Em seguida, trabalhou com óleo sobre madeira, e consagrou-se como mestre utilizador de têmpera sobre tela. Em 1933, Volpi passou a integrar o famoso Grupo Santa Helena, que incluiu pintores como Mario Zanini, Manuel Martins, Humberto Rosa e Fulvio Pennacchi. No final dos anos 1930, começou a trabalhar mais a partir da memória do que da observação pura, o que se tornou um processo virtuoso para encontrar a essência de sua obra.

Articulou temas populares com um sofisticado uso de cores e geometria. Suas pinturas são exuberantes no uso da cor e na forma simplificada. O artista comentou: “Eu sempre pintei o que senti, minha pintura foi gradualmente se transformando, começou com a natureza, depois aos poucos vai saindo fora, às vezes continua, eu nunca penso sobre o que eu estou fazendo, só sobre o problema da linha, da forma, da cor. Nada mais.”