Apesar do Lollapalooza acontecer em São Paulo, o rescaldo do line up chegará à Belo Horizonte. Os organizadores do evento confirmaram um sideshow da banda inglesa Duran Duran em BH, no dia 29 de março, no BH Hall.

Em apresentação única, a performance será um pouco mais intimista do que a que o grupo fará no festival. Clássicos como “Come Undone” e “Save a Prayer” são provavelmente os mais aguardados da noite.

Quem estiver a fim de assistir o quarteto formado por Simon Le Bon, Nick Rhodes, John Taylor e Roger Taylor pode ficar atento para a venda de ingressos. As entradas para o Lolla Sideshow do Duran Duran em BH começarão a ser vendidas a partir do próximo dia 02 de dezembro e poderão ser adquiridos no site lollapaloozabr.com, em todos os pontos de venda do país ou na bilheteria do BH Hall. O valor dos convites vão variar entre R$ 130,oo e R$ 360,00

Assista ao vídeo de Come Undone na íntegra:

Duran Duran

Quantas bandas você consegue pensar que têm décadas de carreira e ainda são capazes de surpreender, de descobrir novos caminhos, criando músicas novas que estão no topo? É um exercício interessante e rápido – uma lista que você pode fazer com os dedos da mão. Em 2015, Duran Duran firmou seu lugar com um novo álbum de estúdio – nada menos do que o seu 14º – que ilustrou seu papel na história do pop.

O álbum “Paper Gods” começa o próximo capítulo da história da banda, com uma série de colaboradores importantes – incluindo Nile Rodgers, Mark Ronson, Mr Hudson, Janelle Monàe, John Frusciante, Kiesza and Davide Rossi – que se juntaram à festa. “Nós encontramos um novo nível de inspiração para esse álbum”, afirma o tecladista Nick Rhodes. “Nós estávamos falando outro dia sobre artistas que existem há muito tempo – nossos contemporâneos ou alguns mais antigos, e há apenas uma meia dúzia que estão lá fora fazendo shows”.

Simon Le Bon tem uma teoria a respeito do motivo de os integrantes da banda ainda continuarem amigos e ainda fazerem música que contagiam o público mesmo 37 anos após o início da banda, em Birmingham. “Eu acho que parte da nossa força é a tensão na nossa música, o que provavelmente parte da tensão de dentro da banda. Quando você é jovem, não tem medo de perturbar as pessoas, e, na verdade, podemos continuar fazendo isso de vez em quando. Por fim, sabemos que vamos sempre lutar um pelo outro, seja qual for a situação. Vamos ficar juntos”, afirma.