Reza a lenda, que a moqueca foi criada em terras tupiniquins, em meados de 1.500, período que apresenta citações históricas dos portugueses sobre a iguaria. Originalmente feito em uma grelha de varas ou folhas de árvores cobertas por cinzas quentes (chamado de moquém, daí o nome), o prato, hoje em dia, é um refogado de peixe e outros frutos do mar e possui duas principais versões distintas e regionais: a baiana e a capixaba.

Ancorado no famoso bordão “Moqueca, só capixaba. O resto é peixada”, do jornalista e escritor José Carlos Monjardim, o tradicional e familiar restaurante Badejo – que, com 26 anos está em sua segunda geração – é um dos poucos restaurantes em Belo Horizonte que reproduzem, com fidelidade, a verdadeira moqueca capixaba.

unnamedDe acordo com a matriarca e chef do Badejo, Regina Maura, diferente da moqueca baiana, mais condimentada e pesada, a moqueca do Espírito Santo costuma ser mais leve e saudável, além de levar mais ingredientes além do pescado, como: tomate, cebola, coentro, azeite de oliva e urucum. “A ideia de fazermos moqueca capixaba no Badejo surgiu do velho hábito do belorzontino frequentar as praias do Espírito Santo e, consequentemente, estar mais familiarizado aos sabores da região”.

Regina ainda conta que um dos segredos da moqueca capixaba é a panela em que ela é preparada, a de barro. “Desta forma, se mantém as quatro principais características da tradicional moqueca do Espírito Santo: a cor, o sabor, o perfume e a consistência”. Outro detalhe importante enfatizado pela chef é fazer, com o caldo da própria moqueca e, também na panela de barro, o pirão. “Do contrário, não tem o sabor da verdadeira moqueca”, afirma.

A qualidade e o frescor dos frutos do mar oferecidos na casa fazem parte da ideologia do restaurante, visto que a família Dalcin – proprietária do restaurante – possui, em Ilhéus, Bahia, uma central de compras e processamento que envia, via aérea, pescados para o preparo dos pratos. “Daí surge o jargão ‘O peixe é baiano, a moqueca é capixaba e o tempero é mineiro’. As nossas moquecas são feitas com os melhores peixes vindos da Bahia, ao estilo capixaba e com um toque mineiro”, ressalta Regina.

Um dos pratos mais pedidos, a moqueca de Badejo, sai a (R$149,80). Outros destaques do restaurante são a deliciosa Moqueca de lagosta (R$158.80), Badejo com legumes (R$169,80), Titanic (R$236,80) e, atendendo a todos os gostos, um prato vegetariano de legumes cozidos na panela de barro (R$39,90), que leva tomate, cebola, palmito, batata e azeitonas.

O restaurante conta ainda com decoração típica e elegante, com lindas paisagens marítimas, remetendo a delicioso restaurante praiano em meio à charmosa Savassi.

 

Sugestão de como servir o prato (foto: Edy Fernadnes).

Sugestão de como servir o prato (foto: Edy Fernadnes).

Acompanhe a receita:
Ingredientes
400 gr. Peixe em postas (se possível Badejo)
02 tomates maduros – picados
02 cebolas brancas grandes – picadas
Coentro picado
Cebolinha picada
Azeite doce
Colorau
Tempero alho/sal
Limão
Água fervente

Preparo
Esquentar 3 colheres (sopa) de azeite em uma panela se possível de barro. “Queimar” o colorau, juntamente com o tempero alho/ sal no azeite. Imediatamente colocar as postas de peixe, previamente regadas com limão. Adicionar ½ copo de água fervendo; tampar por 5 min. Adicionar o coentro, a cebola e o tomate, nesta ordem. Regar um pouco mais de azeite. Deixar cozinhar por 10 min. em fogo forte, tomando cuidado para o peixe não “agarrar” (queimar). Salpicar de cebolinha e servir com arroz branco e pirão.