Tem novidade no Mirante do Bandeirante, na orla da Pampulha. Foi inaugurado o monumento da Eterna Modernidade da escultora Vânia Braga em parceria com o artista plástico Diego Rodrigues. O projeto, idealizado pelo atual presidente da Fundação Municipal da Cultura, Leônidas de Oliveira, é um tributo a Juscelino Kubitschek e aos três principais artistas responsáveis pelo projeto arquitetônico da Pampulha: Oscar Niemeyer, conhecido por suas curvas inovadoras e pela grandeza de suas obras; Burle Marx, com suas belas paisagens; e Cândido Portinari, com seus painéis singulares.

Os homenageados foram responsáveis por compor a paisagem do conjunto da Pampulha e agora também serão parte dela (foto: Edy Fernandes).

Os homenageados foram responsáveis por compor a paisagem do conjunto da Pampulha e agora também serão parte dela (foto: Edy Fernandes).

Cercado por belezas naturais, arquitetônicas e artísticas, o Conjunto recebeu, em julho deste ano, o título de Patrimônio Cultural da Humanidade pela UNESCO.  O monumento em bronze, que levou cerca de quatro meses para ser finalizado, é composto pelos quatro personagens em tamanho real e tem como objetivo, enriquecer e eternizar a história de criação do complexo. A artista reforça a importância da união entre seus colaboradores para finalização da obra dentro do prazo previsto. Segundo Vânia, não existiram feriados e nem finais de semana. “Diego teve um papel fundamental na execução da obra. Posso dizer que as esculturas foram moldadas a quatro mãos”, afirma ela.

A obra foi patrocinada pela Construtora Patrimar, do empresário Alex Veiga. “Nós estamos vivendo um momento mágico. Estamos no meio de uma crise e Belo Horizonte recebe um presente desses. Eu, que gosto muito de viajar, sei o quanto isso é importante para nossa cidade. Belo Horizonte vai ter um retorno enorme na área de turismo, os hotéis e restaurantes vão agradecer. E é uma honra participar desse projeto. A Patrimar é uma grande parceira da prefeitura de Belo Horizonte. Então, tudo aquilo que a prefeitura julgar que seja importante para a cultura a Patrimar apoia”, afirma Veiga.

A visitação ao Mirante do Bandeirante é gratuita. A exemplo de obras como a de Carlos Drumond de Andrade na orla de Ipanema, no Rio de Janeiro, a homagem, em Belo Horizonte, foi feita para interação com o público.