Manter a qualidade da limpeza urbana em todas as regiões de Belo Horizonte. Com esse objetivo, a Prefeitura, por meio da Superintendência de Limpeza Urbana (SLU), tem atuado para aumentar a coleta domiciliar em vilas e aglomerados urbanos. No final de 2018, por exemplo, a população desses locais atendida pelo serviço de coleta porta a porta passou de 75,1% para 83,2%. São 308 mil pessoas atendidas e 79 mil toneladas de lixo recolhido por ano.

Foto: PBH.

Foto: PBH.

As tarefas em muitos desses pontos, às vezes considerados de difícil acesso, são realizadas com caminhões minicompactadores e, quando necessário, são utilizados carrinhos de mão feitos de fibra de vidro. Ao todo, foram recolhidas mais de 40 mil toneladas de resíduos em 2018 somente pelo serviço de coleta diferenciada que, na prática, é todo o lixo coletado com os miniveículos.

A chefe da Divisão de Projetos de Coleta da SLU, Daniella Wilken, explica que o resíduo é recolhido na porta do morador, em um beco, por exemplo, e conduzido pelo gari até o ponto de confinamento indicado em planejamento prévio. “Depois o lixo é levado para a central de tratamento por meio dos caminhões da coleta domiciliar”, relata.

O lixo pode ser exposto em frente à residência sem a necessidade de os moradores se deslocarem até a via mais próxima, por onde passa o caminhão de coleta. Isso evita que o cidadão tenha que descartar o lixo em pontos de confinamento ou cestos comunitários.