“À primeira vista, parecem colagens. Porém, ao observar atentamente as texturas e manchas de tinta, percebemos que são pinturas. As telas de Samuel Oliveira têm essa particularidade de enganar os olhos do espectador”. Assim, Amanda Lopes, curadora da galeria cultural “Passo das Artes”, do Colégio Loyola, define as peças do artista mineiro. A mostra gratuita apresenta 12 pinturas em óleo sobre tela, que foram executadas entre 2017 e 2018, todas sobre cenas corriqueiras de pessoas comuns em situações cotidianas.

Com intervenções de ordens mecânica e poética, o artista traz, na exposição, sua relação com as cidades e as situações nas quais se projeta. Para Samuel Oliveira, a fotografia serve como uma ferramenta de captura e registro: “Com a câmera fotográfica, em uma espécie de deriva pelas cidades, tento extrair da paisagem e da arquitetura cenas rotineiras e cotidianas, onde percebo a relação dos indivíduos com o seu espaço”, afirma.

Além das pinturas, estão expostas duas xilogravuras (primeiro processo da pintura), ferramentas e objetos do atelier do artista, como matrizes originais (itens como madeira, goivas, pincéis e esboços). Para Amanda, que também é professora de Arte no Loyola, o material é muito rico e inspirador, pois demonstra como um processo de criação se configura.

As características da arte de Samuel Oliveira são peculiares e bem definidas. Na mostra, o espectador vai se deparar com formas: de exposição do vazio; do tempo em suspensão; do deslocamento de pessoas – da realidade e colocadas em outros espaços, definidos por cores lisas. Em algumas peças, objetos da fotografia original se mantêm na composição como vestígios do ambiente real.

Amanda Lopes relatou mais impressões sobre as peças. “A ausência de um cenário realista ao redor das figuras reflete a sensação de vazio dos próprios personagens. Isso permite uma reflexão sobre contemporaneidade, relações humanas e sentimento de não pertencimento. Diante das telas, o espectador mantém um solitário diálogo para tentar compreender o que elas dizem. “Percursos Diários” é um convite à imersão da íntima e recente trajetória do artista. “As minhas representações sustentam áreas de cor que conformam um ambiente que envolve figuras e sugerem realidades suscetíveis à afetividade, à memória e à relação com a própria cor”, finaliza.

O artista
Natural de Piracema (MG), Samuel Oliveira é licenciado em Artes Plásticas pela Escola Guignard – UEMG, com habilitação em Pintura e Fotografia. Premiado no VI Salão de Arte de Itabirito e Regional de 2013, recentemente apresentou sua primeira exposição individual com a série “Paisagens Invisíveis” na Galeria de Arte Paulo Campos Guimarães (na Biblioteca Pública de Minas Gerais, pertencente ao Circuito Cultural da Praça da Liberdade).