O impostômetro de Belo Horizonte já registra, em 2019, mais de R$ 1,6 bilhão de impostos arrecadados. Para  se ter ideia, cerca de 20% da arrecadação de um mineiro é revertida em cargas tributárias. Ou seja, se alguém tem um salário de mil reais, essa pessoa recebe apenas R$ 800,00.

Foto: pixabay.

Foto: pixabay.

Em manifesto a estas altas cargas tributárias, a CDL Jovem (Câmara de Dirigentes Lojistas Jovem) realiza o Dia Livre de Impostos para que as pessoas sintam o impacto financeiro causado por estes pagamentos. A data escolhida em 2019 foi o dia 30 de junho, próxima sexta-feira. O objetivo é que os lojistas participantes vendam seus produtos com porcentagem do preço que corresponde aos impostos.

Um exemplo é o Sindicato e Associação Mineira da Indústria de Panificação (Amipão), uma das entidades apoiadoras evento. Aproximadamente 800 empresas de Belo Horizonte, sendo cerca de 30 delas padarias associadas à Amipão, comercializarão mais de 650 mil itens sem o valor dos impostos. As padarias vão oferecer desconto sobre o preço do pão de queijo, bolo e outros produtos de fabricação própria. Empresas parceiras aos estabelecimentos também vão comercializar seus produtos e serviços sem as taxas tributárias.

Vinícius Dantas, presidente da Associação Mineira da Indústria de Panificação (Amip), entidade que também compõe a Amipão, pontua que o principal problema é que os valores pagos não são revertidos para a população, que acaba tendo que arcar com custos que poderiam ser contemplados pelo governo, se os valores arrecadados fossem revertidos em serviços de qualidade. “A população, as empresas e as indústrias estão sufocadas com essa carga tributária. Nossa proposta é mostrar que o imposto não prejudica o consumidor só nas grandes compras. Mesmo as compras mais simples e corriqueiras estão inchadas pelo excesso de impostos e pesam no orçamento dos brasileiros”, explica.