Nascido à beira do rio São Francisco, em Pirapora (MG), ele soube misturar e divulgar, como poucos, as nuances regionais e diversidades sonoras da música brasileira. A partir de sua terra natal, o múltiplo Marku Ribas (1947-2013) fez com que a vivacidade de batuques, poemas e harmonias ocupassem espaços universais, para muito além das margens barranqueiras. Tal vasta inventividade será celebrada de 19 a 23 de junho, no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), em Belo Horizonte, durante o Festival Minas canta Marku, no qual apresentam-se amigos e artistas mineiros diretamente influenciados pelo talento de Marku. Os ingressos, para cada dia de show, são R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia).

Foto: Gutu Muniz.

Foto: Gutu Muniz.

Além de shows com importantes nomes da música mineira (Júlia Ribas, Pedro Braga, Toninho Horta, Juarez Moreira, Sérgio Pererê, Marcelo Veronez, Iconili, Marina Machado, Pedro Morais, Bauxita, Tattá Spala, Barranqueiros, Eda Costa, Priscilla Magela, Márcio Levy, Geovanne Sassa, +Samba, Black Jack 21, Cristiano Cunha, Adriano Campagnani, Titane, Célio Balona e Néstor Lombida Hunt e Bloco Magnólia), o evento contará com oficinas gratuitas sobre a obra de Marku, que, em diversas partes do mundo, influenciou composições do jazz ao samba, do samba-rock à música barranqueira.

As inscrições para as oficinas devem ser feitas pelo site. A cada dia do Festival, o público terá a oportunidade de apreciar uma vertente da caleidoscópica obra do artista. O mapa sonoro da obra markuniana, afinal, misturava – e redefinia – gêneros os mais diversos, como jazz, blues, música barranqueira, samba e rock.

“Queremos sensibilizar o grande público para a riqueza da cultura poética e da musicalidade brasileira, por meio da experimentação e da reflexão sobre a obra deste grande artista mineiro, ao destacar sua importância para a divulgação e a consolidação da cultura nacional”, ressalta Júlia Ribas, filha do músico, além de idealizadora e curadora da iniciativa.

“A obra de Marku Ribas é ampla e de grande importância, por isso merece ser revisitada em vários momentos e espaços. Pensado isso, temos a ideia, de dar continuidade com encontros nacionais entre outros tantos artistas amigos e influenciados pela obra de Marku”, completa Lira Ribas, também filha de Marku.

Mineiro de Pirapora (MG), como Marku, o músico Pedro Braga ressalta que Marku Ribas cantava “como quem entoa um canto de aboio, tornando sua música um convite à cultura universal, exalada nas suas expressões artísticas, com o suave sabor da água doce de seu querido Rio São Francisco”. Justamente tal característica fez com que sua arte acabasse por representar a identidade de um povo, de uma nação, do mundo. Com curadoria e idealização de Júlia Ribas, o Festival conta com coordenação geral de Pedro Braga; direção musical do maestro Nestor Lombida Hunt; direção artística de Lira Ribas e produção executiva de Sirlene Magalhães. A realização é da Coreto Cultural.