Foto: Google Maps.

Foto: Google Maps.

Desapropriada pelo ex-prefeito Marcio Lacerda em 2011 para construção de uma Unidade Municipal de Educação Infantil (Umei), a área situada no Bairro Nova Cintra, próxima ao Cemitério da Colina, era habitada por cerca de 20 famílias. Segundo vizinhos e ex-moradores, que até hoje não foram indenizados, o local foi abandonado após a demolição das casas, em 2014.

Em visita técnica da Comissão de Saúde e Saneamento, o vereador Irlan Melo (PR) e representantes da Regional Oeste ouviram a comunidade e constataram os problemas apontados. Além de cobrar a intensificação das ações de limpeza e combate a zoonoses no local, o requerente se comprometeu a apurar a situação jurídica e a destinação prevista para a área pela atual gestão.

Requerente da visita técnica, Irlan Melo percorreu o local ao lado de vizinhos e ex-moradores, que denunciaram o abandono da área pela Prefeitura desde a demolição dos imóveis desapropriados, há cinco anos. Segundo eles, o acúmulo de mato, o descarte irregular de lixo, animais mortos e bota-foras clandestinos atraem ratos, baratas, escorpiões e mosquitos transmissores de doenças, que invadem as residências do entorno, gerando insegurança e trazendo riscos à saúde de moradores e transeuntes. De acordo com as denúncias recebidas pelo vereador, a área foi desapropriada em 2011 para a construção de uma Umei; no entanto, a obra nunca foi iniciada.

Questionado pelo vereador, o coordenador da Administração Regional Oeste, Sylvio Malta, informou que o lixo e o entulho do local são recolhidos a cada três semanas, mas reconheceu que a periodicidade não tem sido suficiente. A gerente de Zoonoses, Denise Mesquita, ponderou que a efetividade das ações de desinfecção e desratização do terreno e das residências do entorno exigem que os locais sejam limpos e mantidos limpos, o que depende não apenas das ações da Prefeitura, mas também da conscientização da própria comunidade. Moradores da área confirmaram que, além da negligência de alguns vizinhos, muitas pessoas vêm de longe para descartar lixo e entulho, além de deixar animais vivos e mortos no local.

Destinação da área
Com relação à limpeza do terreno e o combate a zoonoses, o vereador informou que irá requerer formalmente à Administração Regional e à Superintendência de Limpeza Urbana, por meio da Comissão de Saúde e Saneamento, que os procedimentos sejam realizados com maior frequência; Sylvio Malta se comprometeu a empenhar esforços para atender a solicitação e garantiu que o recolhimento de entulhos será feito pelo menos de 15 em 15 dias.

Sobre a construção da Umei (hoje denominada Emei) ou outra possível destinação do terreno, o coordenador afirmou não ter conhecimento dos planos da Prefeitura, e que informações a esse respeito devem ser obtidas junto à Sudecap e à Secretaria Municipal de Educação. Irlan Melo comunicou à comunidade que, após essa apuração, poderá ser realizada outra visita técnica ao local, com o acompanhamento de gestores da área de educação.

Caso não esteja mais prevista a implantação da escola de educação infantil, ele se comprometeu a promover uma audiência pública no próprio bairro para que os moradores possam apresentar demandas e sugestões para o aproveitamento da área.