Os mascotes durante ao lado de uma paciente (foto: João Carlos de Moura Lage).

Os mascotes durante uma outra visita no Felício Rocho ao lado de uma paciente (foto: João Carlos de Moura Lage).

Os pacientes do Instituto de Oncologia do Hospital Felício Rocho receberão uma visita inusitada na manhã da próxima quarta-feira (27). Em comemoração à campanha Novembro Azul, os mascotes do Cruzeiro Esporte Clube, Raposão e Raposinho, visitam o instituto para conscientizar as pessoas que estiverem no local sobre a importância dos exames preventivos e do diagnóstico precoce do câncer de próstata.

“Queremos atingir o maior número possível de pessoas. Ainda mais se tratando de homens, que costumam buscar menos os serviços de saúde. Justamente por apresentarem essa dificuldade para procurar um médico, elaboramos essa ação para chamar a atenção deles para a importância do cuidado com a própria saúde”, afirma Heloísa Chagas, psicóloga do Hospital Felício Rocho.

Os mascotes chegarão ao instituto às 10h e estarão disponíveis para tirar fotos com os pacientes e seus familiares. Durante a visita, Raposão e Raposinho distribuirão brindes e materiais informativos, além de percorrer o local para se encontrar com os pacientes que estão sob tratamento ou em consulta. Na ocasião, haverá também um momento de fala do médico oncologista do Hospital Felício Rocho, Dr. Ricardo Cembraneli.

Segundo a psicóloga Heloísa Chagas, a presença dos mascotes do celeste é importante porque “o futebol é um esporte muito valorizado pelo público masculino. Então, isso ajudará a chamar a atenção dos homens para a importância dos exames de prevenção, diminuindo, assim, o preconceito”, ressalta.

Desde 2018, o Cruzeiro apoia a ação, levando Raposão e Raposinho ao Hospital Felício Rocho para visitar os pacientes com câncer. Neste ano, a visita será realizada na data que também é comemorado o Dia Nacional de Combate ao Câncer.

Dia Nacional de Combate ao Câncer
Em 27 de novembro é celebrado o Dia Nacional de Combate ao Câncer. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a doença é a segunda maior causa de mortes no mundo, atrás apenas de complicações cardiovasculares. O órgão ainda estima que, até 2030, serão 27 milhões de casos incidentes de câncer.