Foto: Adobe Stock

 

Final de ano é tempo de exageros em todos os sentidos.Festas, confraternizações, viagens, comilança durante o natal, exageros na bebida durante o Réveillon. Nesse período do ano, o comportamento exacerbado é um prato cheio para quem quem gosta de fugir da dieta.

Passada a fase, é comum querer sair correndo atrás do prejuízo e buscar soluções milagrosas, que muitas vezes podem gerar consequências mais graves como lesões e má alimentação. Como cada pessoa é singular, não adianta buscar os tais “métodos milagrosos” em qualquer lugar.

Para reverter o quadro é importante adotar um planejamento com auxílio de profissionais qualificados. Conversamos com o educador físico  Alexandre Magalhães, professor da academia Bodytech, algumas dicas podem ser valiosas para colocar em prática o projeto de entrar em forma em 2020 e ainda fazer um detox:

Dica 1: Qual o primeiro passo?
Encontrar uma atividade prazerosa é o primeiro passo para estabelecer uma rotina saudável de exercícios. A chance do desânimo tomar conta diminui se a atividade envolve prazer. Segundo Alexandre, quanto mais próximo for o exercício em relação ao estilo de vida do aluno, maior a possibilidade de uma adesão efetiva “É preciso buscar uma mudança de hábito que vá perdurar e não só uma prática efêmera que dure o tempo de uma febre de verão. Uma pessoa mais agitada ou estressada, por exemplo, pode se dar bem com atividades como as lutas e aeróbicos. Os mais sociáveis, devem buscar aulas coletivas como dança e localizada, enquanto os mais concentrados vão se dar bem na musculação e Yoga”, explica.

Dica 2: Uma companhia cai bem?
Chamar amigos para praticar com você pode ser um estímulo a mais naqueles momentos em que o desânimo aperta. Algumas modalidades envolvem atividades em dupla como squash, tênis, basquete, aulas coletivas como danças e lutas.

Alexandre Magalhães (de roupas pretas) durante uma aula na Body Tech (foto: arquivo pessoal).

Dica 3: A música ajuda?
Separar uma boa playlist pode dar aquele gás na hora de levantar do sofá. Um bom exemplo são as plataformas e app’s como Spotify e Deezer, onde você pode pesquisar listas já relacionadas ao treino ou atividade que será realizada.

Dica 4:  Como a tecnologia pode ajudar nessas horas?
Utilizar aplicativos como Strava, Nike Training Club, RunKeeper, GuiaNutricional, entre outros, envolvem a mensuração de distâncias, comparação de performance dos treinos, ganhos e medidas, além de dicas de alimentação.

Dica 5: E a alimentação, como fica?
Evite comprar alimentos prejudiciais à saúde, como os industrializados, principalmente aqueles com excesso de glúten, açúcares, gorduras trans e refinados. Não se trata de restringir o consumo, mas, evitar levá-los para dentro de casa.

Dica 6: E a tal da endorfina?
Confie nos efeitos da prática dos exercícios físicos, segundo Alexandre “a endorfina pode ser uma poderosa aliada quando o assunto é transformar a rotina. O bem-estar relacionado à liberação do hormônio já ajuda a associar exercício com a sensação de prazer”.

Dica 7: O apoio de um profissional é essencial, não é?
Conte com o auxílio de profissionais, eles saberão avaliar e aconselhar adequadamente. “É de suma importância que o profissional de educação física saiba fazer uma anamnese adequada do perfil do aluno, fazendo uma análise do tipo físico, personalidade e objetivos individuais” finaliza Alexandre.