Foto: iStock

 

Ficou mais difícil flertar, dar um rolê, ter contato físico com as pessoas de fora do convívio. Em tempos de isolamento social dá sim para manter o romance. Para quem mora junto, para quem está longe um do outro – nesse caso o contato deve ser virtual, o desafio da atualidade é manter a chama do amor acesa. E para quem divide o mesmo teto, passar por conflitos é uma verdadeira prova de amor. Mas existe uma forma de se inspirar, ocupar a mente e buscar na literatura romances arrebatadores para ter um Dia dos Namorados digno de um best-seller.

Um dos romances sugeridos para este Dia dos Namorados é “Entre Cabul e a Dança das Borboletas”, da jornalista e escritora Karina Manasseh. A obra pode ser indicada para listas de livros românticos por destacar sugestão de presente e também uma reportagem que enaltece o amor na literatura. O romance entre Maria e João é uma dessas histórias de amor que merece ser mencionada.

Foto: divulgação.

A obra conta a história do casal Maria e João. Depois da morte do irmão, Maria decide deixar o Brasil e passa a viver sem fincar raízes em frequentes viagens pelo mundo. No auge da profissão de diplomata, um romance arrebatador a tira dos eixos. João, um advogado bem-sucedido, trabalha em uma multinacional. Casado e com dois filhos pequenos, administra uma vida estável em São Paulo e viagens a serviço da empresa. O thriller dramático Entre Cabul e a Danças das Borboletas é o romance de estreia da jornalista Karina Manasseh, publicado pela editora Edite.

A autora transporta o leitor para uma visão de liberdade sobre uma mulher que atua na construção da democracia nos países em conflito. Entrelaçado a isso, a protagonista Maria luta para não se envolver emocionalmente com João. Porém, alguns encontros e desencontros depois, a personagem se depara com uma jornada que, na verdade, está mais relacionada com autoconhecimento e o dilema em escolher entre “Cabul” e a “Dança das Borboletas”.

Karina utiliza traços psicológicos como solidão, paixão, amizade, tristeza, afeto, superação, para contar essa história de amor contemporânea que escancara a complexidade das relações humanas – muito bem contextualizada em cidades exóticas e suas realidades. A escritora percorre ainda temas como cultura, gastronomia, pontos turísticos ao redor do mundo, política e economia.

Com um final surpreendente, o romance foi uma forma da autora compartilhar a sua própria vivencia em lugares únicos, como Cabul, Islamabad ou Beirute. Abracei a licença poética que só a literatura de ficção oferece e escrevi o livro que une as minhas experiências nesses lugares incríveis a dei vida ao relacionamento de Maria e João”, descreve a escritora que é paulistana, mas vive nos Estados Unidos, na capital Washington.