Foto: Maria Cláudia Bonutti

 

Com a crescente dos casos de Covid-19, o Conselho Municipal de Saúde de Belo Horizonte (CMSBH) enviou, na manhã da sexta-feira (03/07), ao prefeito Alexandre Kalil e ao secretário de Saúde, Jackson Machado, um pedido com uma recomendação para que seja decretado imediatamente o “lockdown” na capital. A intenção é que seja imediato.

O que motivou a decisão do conselho foi o alto índice de ocupação recorde dos leitos de enfermaria e de CTI destinados aos pacientes com Covid-19, que se aproxima da taxa de 100%. Em alguns hospitais públicos, essa realidade já vigora. Como o Caso da Santa Casa e do Hospital Risoleta Neves, que não têm mais leitos para pacientes infectados pelo novo coronavírus.

Tal recomendação foi feita após aprovação de uma resolução em plenário do conselho, ainda na sexta-feira. Entre os participantes estavam, além dos conselheiros, usuários do SUS, trabalhadores e gestores do setor. Em entrevista ao jornal Bom Dia Minas, da Globo Minas, a presidente do Conselho de Saúde de Belo Horizonte, Carla Anunciatta, disse que a situação é muito grave.

“Esse conselho é a favor do fechamento total da cidade, do lockdown, e é isso que nós viemos aqui pedir as autoridades municipais, porque todos os hospitais estão com quase sua lotação esgotada para leitos de CTI, tem hospital que não tem nenhuma vaga mais de CTI para Covid e nem de enfermaria. Isso é uma situação muito grave e nós pedimos a compreensão das pessoas porque qualquer um de nós pode precisar de um leito desses. Nós estamos numa situação de guerra e quem pede a abertura da cidade, a volta de comércio não está percebendo que nós, pedindo isso, nós vamos levando as pessoas para a morte”, comentou Carla.