Foto: divulgação

 

No Brasil, os números relacionados à COVID-19 ainda são preocupantes. Agora, com a reabertura do comércio, a situação tem piorado em várias cidades. A falta de testes para diagnóstico também agrava a situação. Apontado por vários especialistas no país, a identificação e acompanhamento de quem tem o vírus são fundamentais para que as autoridades tomem as melhores decisões no combate à doença e retomada da economia.

Mas uma tecnologia inovadora de triagem rápida pode ser a solução para identificar quem possua infecção pulmonar característica da COVID-19: O Apolo D Smartcheck AI. Trata-se de um aparelho raios-x de última geração, com detector digital de alta resolução e funcionalidade adicional de inteligência artificial. Em um só dia, o Apolo D é capaz de fazer até 400 exames, sem colocar em risco o paciente e as equipes médica e laboratorial. O aparelho foi desenvolvido pela empresa mineira VMI (empresa do grupo VMI Security, sediada em Lagoa Santa/MG). A cidade da Região Metropolitana de Belo Horizonte também é a primeira a implantar essa tecnologia, presente no Centro de Testagem e Rastreamento da COVID-19 (CENTRA).

Como funciona: após direcionamento médico, pautado por identificação de outros sintomas característicos da COVID-19, os indivíduos realizam exame de imagem na solução. Para auxiliar o diagnóstico, o software de inteligência artificial faz uma minuciosa análise da imagem de raios-x do tórax e apresenta probabilidades de 1 a 100% de anormalidades pulmonares relacionadas à COVID-19. Tudo em 20 segundos. Somada a outras informações, o nível de avanço da infecção pulmonar pode ser fundamental para definição dos próximos passos do manejo clinico. Ressalta-se que a contribuição do exame de imagem para o diagnóstico, assim como para análise do grau de infecção pulmonar de indivíduos contaminados, pode ser realizada a partir do 7º dia do contágio, enquanto a maior parte dos testes sorológicos e testes rápidos disponíveis no mercado apresentam resultado confiável após 10 dias da contaminação.

O Apolo D Smartcheck AI ainda conta com um aplicativo opcional capaz de segmentar por grupo de risco e sintomas os indivíduos cadastrados, auxiliando os gestores de saúde na decisão de quem deve ser direcionado a tratamento específico ou somente acompanhamento remoto.

O exame ainda é realizado sem contato direto entre operador e paciente, diminuindo o risco de contaminação entre agentes de saúde e indivíduos inspecionados. Todo o processo de posicionamento na solução é dado pelo profissional técnico, por meio de câmeras, alto-falante e ajustes motorizados.

Depois que a imagem é captada e o paciente sai da estrutura, um sistema auto esterilizante, com lâmpadas UV-C especiais, faz a descontaminação da cabine em até dois minutos. Toda essa tecnologia envolveu profissionais das áreas de engenharia, eletrônica, médica e de inteligência artificial.

A cabine blindada tem dimensão de 3m x 3m. Por ser segura em relação à emissão de radiação, compacta e de fáceis instalação e operação, pode ser levada para qualquer lugar. Pela flexibilidade de instalação, o Apolo D pode permanecer em uma unidade básica de saúde, ou ser colocado em comunidades com pouca infraestrutura física, além de municípios do interior (onde os casos estão aumentando) que são carentes de testes ou ferramentas para auxiliar no diagnóstico da COVID-19. Assim evita-se a concentração de pessoas em um mesmo local (infectadas ou não) e desafoga esse fluxo no próprio sistema hospitalar.

Em localidades isoladas, com mão de obra especializada limitada, o Apolo D ainda possibilita a realização de operação remota. As imagens podem ser transmitidas pela internet direto do aparelho para um médico, que pode estar a quilômetros de distância.

É importante afirmar que o teste PCR (Proteína C Reativa) ainda é o mais indicado para a confirmação da COVID-19. No entanto, uma vez a escassa disponibilidade deste teste no mercado, associado à identificação de outros sintomas, o Apolo D pode contribuir com informações do laudo de imagem do tórax, para que profissionais de saúde possam realizar o diagnóstico da COVID-19 e tomar decisões sobre próximos passos com o paciente de forma mais segura. O Apolo D Smartcheck AI possui equipamento de raios-x (Apolo D) aprovado pela ANVISA, onde já está registrado. O grupo VMI já possui demanda para exportação do aparelho e também está em negociações com outras cidades no Brasil.