Foto: iStock

 

Com fechamento das unidades escolares em decorrência da pandemia, desde meados do mês de março, cerca de 200 mil estudantes atendidos pela Rede Municipal de Educação de BH e pelas creches conveniadas com a PBH estão em casa. O quadro, que vem causando apreensão de pais, alunos, professores e dirigentes escolares, será o tema da audiência pública no dia 22 de setembro, às 10h.

Dentre os pontos que serão tratados estão questões como o cadastro escolar para o ano de 2021; ações para diminuição da defasagem dos conteúdos; a validação do ano letivo de 2020 e a exclusão digital de parte dos alunos.  Ainda na reunião, os parlamentares aprovaram pedido de informação dirigido à Mesa Diretora da Casa solicitando dados sobre o número de trabalhadores contaminados na Câmara, bem como sobre a possibilidade de testagem de todo o seu público interno.

Justificando a necessidade do debate, os parlamentares autores do pedido de audiência destaca que “o mais importante num momento de pandemia é a preservação da vida. Contudo, o isolamento e o distanciamento social trouxeram a necessidade de se repensar ações para diminuir a defasagem dos conteúdos que deixaram de ser trabalhados”.

Para a audiência, os parlamentares pede que sejam convidados a secretária municipal de Educação, Angela da Dalben, além de representantes dos Sindicatos dos Trabalhadores em Educação da Rede Municipal de BH (Sind-Rede/BH); dos Trabalhadores em Educação em Minas Gerais (Sind-UTE); dos Professores de MG(Sinpro MG); do Conselho Municipal de Educação; do Fórum Municipal Permanente de Educação de BH; do Fórum Estadual Permanente de Educação de MG, e da Coordenadoria Estadual de Defesa da Educação (Proeduc) do Ministério Público de Minas Gerais.