Foto: Liliam Lopes.

 

Enquanto não é decido a respeito da volta às aulas presenciais, um estudo coordenado pelo infectologista Carlos Starling, integrante do Comitê de Enfrentamento ao Coronavírus na capital mineira, identificou que as crianças podem ter um grande risco contaminação pela Covid-19 nas salas de aulas. A pesquisa é baseada nos dados divulgados pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG).

Conforme publicado na pesquisa, a cidade apresenta uma taxa de transmissão comunitária alta do vírus e não há garantias de que os estudantes estariam seguros nas instituições de ensino. O cenário vivido por Belo Horizonte é semelhante ao de outros 331 municípios mineiros, que também contam com taxa de transmissão alta, independentemente da região em que se encontram. Contagem, Betim, Ibirtité, Teófilo Otoni e Ouro Preto são exemplos.

O estudo é baseado numa rede de cálculos. O grupo de pesquisadores somou os casos de cada município nos últimos 14 dias e dividiu pela população de cada um destes municípios. Em seguida compararam o resultado com dados do Centro de Controle de Doenças (CDC), de Atlanta, nos Estados Unidos.

O CDC contextualiza que uma taxa de Covid-19 é considerada baixa se existir menos de 20 infectados por 100 mil habitantes ao longo dos dias de pesquisa. A taxa de transmissão alta é considerada quando o número de contaminados estiver entre 50 e 200 por 100 mil habitantes. Já a expansão muito alta seria quando os casos ultrapassarem os 200 no mesmo período, por 100 mil habitantes.