Foto: +Drone

 

A questão da mobilidade urbana em Belo Horizonte é uma pauta de ampla discussão. Hoje, a capital mineira tida como uma das mais lentas do Brasil por conta de uma estrutura de tráfego de veículos ineficaz.

Um dos pontos de maior aglomeração de veículos está na Região Centro-Sul. Principalmente durante horários de pico, a saída do bairro Belvedere para os demais bairros mais centrais de Belo Horizonte causam transtorno e acabam refletindo em mais congestionamentos ao longo de outros pontos da cidade.

“A má formação do trânsito na região Centro-Sul acaba afetando o trânsito de toda a cidade. Belo Horizonte precisa de uma alternativa consistente para desafogar gargalos de congestionamentos que acontecem em alguns pontos esta regional como ocorre em diferentes pontos da BR-356 e na Avenida Professor Cristóvan dos Santos”, pontua Lafayette Andrada, Deputado Federal e candidato a prefeito de Belo Horizonte pelo Republicanos.

Na pauta de mobilidade urbana, Lafayette defende a construção de duas largas vias de acesso entre os bairros Belvedere e Sion, na qual poderia dividir a quantidade de carros em trânsito e suavizaria o deslocamento entre um ponto e o outro da cidade. Esse acesso seria construído em uma área fora do perímetro de reserva entre os bairros.

“Tenho uma alternativa eficaz para solucionar este problema. Minha ideia é de criar a ligação partindo do Belvedere, acessando pela Vila do Acaba Mundo e chegando a proximidade da Praça JK, no Sion. Essa estrutura integraria duas avenidas embutidas em túneis que certamente facilitarão o deslocamento de veículos”, esclarece o candidato.

Lafayette esclarece que neste local há um grande vazio, fora da área verde e que pode ser preenchido. Para o candidato, este vazio ainda pode ser ocupado com áreas de lazer para cidade e até mesmo com ocupação planejada de comércio local.

“Podemos tornar este espaço uma área viva da cidade. Há a possibilidade de criarmos um centro de lazer contemplado com um parque e até mesmo com pontos de comércio. Assim podemos tornar o ambiente um local para convívio, bem como a Rua Sapucaí, no bairro Floresta, e a Avenida Fleming, no bairro Ouro Preto”, salienta.

O resultado, além de melhoria na mobilidade urbana também pode oferecer uma melhor qualidade de vida para o belo-horizontino. “Claro que o foco é agilizar o trânsito. Mas, com o trânsito mais ágil, os adultos chegarão em casa mais cedo e poderão passar mais tempo com a família, as pessoas terão menos stress nos deslocamentos e passarão menos tempo engarrafadas, a rotina será mais leve e ainda é possível oferecer um ambiente saudável e agradável para passeios e momentos de lazer. Não podemos deixar aquela área se transformar em invasões, como a ocupação Izidora na Granja Werneck, que depois foi regularizada pela PBH”, finaliza.