Na foto, Dra. Helena Lara – dentista, a paciente Vera Lúcia Oliveira Veloso, e professor Ederson Orlandi (Foto: Banco de imagem da Oncobio BH)

 


Apesar de necessária no enfrentamento a certos tipos e estágios de câncer de mama, a mastectomia total ou parcial é um processo complexo porque a mulher enfrenta um duplo desafio: lidar com um tratamento cirúrgico associado ou não à quimioterapia e/ou radioterapia e seus efeitos colaterais e se olhar diante do espelho. Portanto, todo recurso disponível é significativo para renovar a autoestima, feminilidade e, consequentemente, o bem-estar dessas mulheres. Como é o caso da anaplastologia que consiste na reabilitação com uso de prótese de um local anatomicamente ausente, desfigurado ou malformado seja na face ou no corpo.

Em virtude sera drástica mudança,10 pacientes que passaram pela mastectomia e ganharão próteses de aréola/mamilo irão ganhar próteses de aréola/mamilo do Grupo Oncoclínicas, pela unidade Oncobio. “É um trabalho artesanal que começa pelo molde da paciente, confecção da prótese em silicone e pigmentação em duas etapas”, descreve Helena Lara, que trabalha com próteses faciais e corporais há 17 anos. Para a confecção de cada mamilo, Helena e Ederson levam em torno de três horas.

A prótese de aréola/mamilo é afixada no local com uma cola especial, podendo ficar colada por mais de um mês dependendo das características da pele e intensidade de atividades da paciente, e não é preciso retirá-la para tomar banho. Passado esse período, basta a própria paciente colar novamente.