Foto: iStock

 

Foi apresentado à Assembleia Legislativa de Minas Gerais, nesta sexta-feira (16/10/20), a primeira versão do Plano Estadual de Desenvolvimento da Gastronomia Mineira, instrumento que vai possibilitar o estabelecimento de políticas públicas para o setor, dentro do Programa Estadual da Gastronomia Mineira (PEGM), criado em 2017. As diretrizes foram anunciadas durante audiência pública realizada pela Comissão Extraordinária de Turismo e Gastronomia.

Até o final do mês, o plano será colocado para consulta pública para receber contribuições de toda a sociedade. Segundo o secretário de Estado de Cultura e Turismo, Leônidas Oliveira, ainda em dezembro, para comemorar os 300 anos de Minas Gerais, será apresentada a versão final, numa solenidade no Rio de Janeiro, em campanha nacional da comida mineira, denominada “Minas para o Brasil”. No início de 2021, as primeiras ações devem começar a ser implementadas.

A instituição de uma política pública para a gastronomia mineira foi definida pela Lei 21.936, de 2015, originária do Projeto de Lei 1.618/15, de autoria do presidente da ALMG, Agostinho Patrus (PV). Esta lei já estabelece as diretrizes para fomentar o segmento.

O Plano estadual contempla 52 iniciativas, elaboradas por 21 instituições do poder público, iniciativa privada e terceiro setor, que atuam com gastronomia e que trabalharam juntas para a elaboração do documento desde o final do ano passado.

As ações se pautam em cinco temas definidos pelo PEGM: Plano Estadual de Desenvolvimento da Gastronomia; fortalecimento institucional da cadeia produtiva; inovação e pesquisa; gastronomia social e cultura alimentar; promoção, divulgação e internacionalização da gastronomia mineira.

De acordo com a subsecretária de Turismo da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo, Marina Pacheco Simião, a missão é promover a gastronomia mineira preservando as tradições do Estado, que já são reconhecidas nacional e internacionalmente.