Foto: divulgação/Expominas

 

Com a entrada de vários municípios mineiros na onda verde do plano Minas Consciente museus, galerias, salas de espetáculo e teatros geridos pela Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) e a ela vinculados irão reabrir as portas ao público no dia 3/11. Neste passo da flexibilização está inclusa Expominas, por se tratar de um espaço que pertence ao Estado.

Antes do retorno, os equipamentos estão sendo preparados mediante rígido protocolo de segurança sanitária, conforme exigido pelas autoridades de Saúde em prevenção à covid-19. O objetivo é promover o retorno seguro das atividades presenciais, suspensas há cerca de sete meses.

As medidas de saúde e segurança para reabertura estão sendo estabelecidas de acordo com as características específicas de cada espaço. Os equipamentos sob gestão de parceiros, como alguns espaços do Circuito Liberdade, em Belo Horizonte, têm autonomia sobre o retorno do atendimento presencial e cada protocolo está sendo avaliado caso a caso.

No interior, os museus sob administração estadual são Casa Alphonsus de Guimaraens (em Mariana), Casa Guignard (em Ouro Preto) e Casa Guimarães Rosa (em Cordisburgo). A reabertura de cada um deles depende do avanço das ondas do plano Minas Consciente e também da liberação das prefeituras, mas, por enquanto, segue prevista para o dia 3/11 nas três cidades. A Biblioteca Estadual e o Arquivo Público Mineiro, em Belo Horizonte, ainda não estão autorizados a reabrir por parte de decreto municipal.

“Estamos comemorando a volta das exposições, espetáculos e museus do Sistema Estadual de Cultura. Essa reabertura tem sido bastante aguardada pelo público e por toda equipe. Importante ressaltar que todas as atividades e planejamento estão sendo conduzidos com atenção sanitária e respeito aos protocolos do Minas Consciente para que o público possa vivenciar novas experiências culturais com segurança”, aponta Leônidas Oliveira, secretário de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais.

Protocolos
Além da abertura com até 50% da capacidade de público, os espaços da Secult irão estabelecer a ocupação das áreas com distanciamento de 2 metros entre as pessoas. Haverá avaliação a cada 21 dias para nortear o número limite de participantes das atividades.

Os protocolos possuem especificidades avaliadas de acordo com o espaço de cada equipamento. Exemplo é a ocupação em teatros e espaços de espetáculos, em que haverá marcação de assentos; já para museus haverá limitação de um visitante a cada 5m², mediante agendamento prévio, além da habitual obrigatoriedade do uso de máscara e da utilização de álcool em gel.

Para alcançar um público mais amplo, as atividades e ações virtuais devem seguir na agenda, numa programação híbrida, presencial e on-line.