Foto: Pixabay

 

A Black Friday 2020, realizada no dia 27 de novembro, será de desafios para os comerciantes que tentam se recuperar de um longo período de lojas fechadas e também se adaptar aos novos hábitos dos consumidores. O presidente em exercício da Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH), José Angelo de Melo, está otimista. ”Já estamos vendo os comerciantes se preparando para a data”, disse.

De acordo com pesquisa realizada pela CDL/BH, mesmo com a desaceleração de vendas, a Black Friday deve movimentar R$ 2,02 bilhões na economia da capital mineira. Para incentivar a participação dos comerciantes, a CDL/BH está disponibilizando o Clube de Vantagens CDL/BH em Casa, uma plataforma digital para que as empresas cadastrem os seus produtos e os consumidores possam fazer as compras on-line. “É uma ferramenta que já está ajudando muitas empresas a aumentarem as suas vendas”, diz José Angelo.

A pesquisa revela ainda que 43,6% dos consumidores pretendem adiantar as compras de Natal nesta Black Friday e que 72,6% acompanham a variação de preços antes de realizar as compras. Os produtos são de diferentes tipos.

A força do on-line
As compras on-line foram potencializadas pelo distanciamento social e, ao que tudo indica, se tornarão hábito dos consumidores no pós-pandemia. Esta edição da Black Friday será marcada pelo e-commerce, com 72% das pessoas optando pela compra em sites. Mas as lojas de rua ainda mantêm sua força e representam a escolha de 46,3% dos entrevistados. Os que irão realizar as compras nos shoppings representam 29,4%; 11% utilizarão aplicativos de compras e 8,9%, as redes sociais.