Em um ano de incertezas e lojas fechadas por muito tempo, as vendas de Natal são a esperança dos lojistas para amenizar os prejuízos de 2020. Pesquisa realizada pela Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH) revela que a temporada deve injetar R$ 3,26 bilhões na economia da cidade. Em 2019, o montante ficou em R$ 3,32 bilhões.  A pesquisa foi realizada entre os dias 3 e 13 de novembro, com 284 lojistas da capital.
Os empresários entrevistados esperam que, em média, os consumidores comprem dois presentes, desembolsando um valor médio de R$ 102,92 em cada produto. “O Natal é a grande data do comércio. Sempre gera expectativa e movimentação. Este é um ano atípico, o consumidor ainda está receoso e o lojista tentando se recuperar das perdas do longo período de lojas fechadas. Mas, ainda assim, temos a esperança de que a data vai trazer bons negócios para o setor”, pontua o presidente da CDL/BH, Marcelo de Souza e Silva.
Os principais presentes que vão ficar aos pés das árvores, na visão dos lojistas são diversos. Exemplos são vestuário (39,9%), acessórios como bolsas e mochilas (13,8%), calçados (11,7%), utensílios domésticos e itens de decoração (7,8%) e cosméticos ou perfumes (7,1%).
O pagamento desses presentes será realizado, preferencialmente, à vista no cartão de crédito (40,6%), parcelado no cartão de crédito (39,6%), cartão de débito (17,3%) e dinheiro (2,5%). “Observamos que o consumidor irá escolher, em média, até cinco prestações para quitar as compras da data”, pontua o presidente da CDL/BH.