Foto: Lucas D’Ambrosio/Jornal Contramão

 

O Cine Belas Artes, único cinema de rua remanescente em Belo Horizonte chegou próximo de encerrar as suas atividades durante a pandemia. O cinema precisou até de fazer um financiamento coletivo para manter-se funcionando. Depois do aperto, a Instituição acaba de celebrar uma parceria com o Centro Universitário Una, o que pode o tirar do sufuco.

Agora, o cinema passará a se chamar Una Belas Artes. Segundo o diretor de programação do Cine Belas Artes, Adhemar Oliveira, o recurso arrecadado com o crowdfunding permitiu um respiro, importante para que o espaço não fechasse as portas de maneira definitiva durante o isolamento social imposto pela pandemia. Ele ressalta, ainda, que todas as contrapartidas oferecidas a quem apoiou o projeto estão mantidas.

O Belas Artes e a Una campus Liberdade são vizinhos muito próximos, ambos localizados em Lourdes, região Centro-Sul da capital. É precisamente nessa unidade que a Una oferece o seu tradicional curso de cinema. A parceria recente é, portanto, precedida por uma tradicional afinidade cultural e geográfica.

Para o reitor do Centro Universitário Una, Rafael Ciccarini, o Belas Artes é um bem público que faz parte da história de Belo Horizonte: “a aproximação com o Centro Universitário se dá de forma natural e muito feliz, já que a Una Cidade Universitária se propõe a fazer parte da vida da comunidade, ter as suas unidades abertas e integradas aos aparelhos culturais do Circuito Liberdade. Um presente para BH no ano em que a Una comemora 60 anos de atuação no ensino superior mineiro”, diz.

História
O Cine Belas Artes foi aberto em 1992, no prédio que já abrigou o Diretório Central dos Estudantes (DCE) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). O projeto do edifício é assinado pelo arquiteto Sylvio Vasconcellos e está localizado na rua Gonçalves Dias, 1581, em Lourdes, em frente à Una Liberdade. O complexo abriga um café, livraria e três salas de exibição.

Desde a inauguração, o local se transformou em um reduto de filmes independentes, de arte, de diferentes países, além de pré-estreias de títulos nacionais. Grande parte dos filmes exibidos ali, apesar de sua imensa relevância cultural, não encontram outro espaço de exibição em Belo Horizonte. Reitera-se que o “Belas”, como é carinhosamente chamado por seus frequentadores, é o último cinema de rua da cidade.