Foto: PBH

 

Temperos, aromas, sabores, crenças, cores. Esses e muitas outras características da cultura de Minas Gerais vivem no mercado mais querido de Belo Horizonte. O Mercado Central nasceu quando a capital tinha apenas 31 anos e hoje, 90 décadas depois, é um retiro charmoso e cheio de personalidade.

Ponto de encontro para quem vive em BH e atração turística obrigatória para quem visita a cidade, o mercado traça um paralelo que conecta a deliciosa culinária mineira, diferentes formas de religiosidade, toda a criatividade e delicadeza do artesanato e muitos outros preciosos elementos que ajudam a criar a identidade do estado.

Como se diz nas rua de Belo Horizonte, “vai lá no Mercado Central que cê acha”. Falam isso porque tem de tudo mesmo. Afinal, o terreno ocupa um espaço gigantesco de 14 mil m² dividido ainda em dois três andares, sendo um o estacionamento. Ao todos, são mais de 400 lojas oferecidas.

Já se o seu objetivo for fazer uma prece, vá a capela do Mercado Central. O ambiente é aberto ao público e fiéis visitam-no diariamente, inclusive para celebrações. Desde dezembro de 2009, a missa na Capela do Mercado Central é realizada todos os domingos, às 7h.

Contudo, cuidado para não ficar pedido por lá! Apesar do mercado ter seis saídas, é muito fácil se envolver durante a passagem pelos corredores intermináveis e se encantar pela arte ou ser seduzido pelos aromas e sabores de lá. O resultado é ficar perdido, sem saber o rumo. Caso isso aconteça, é só perguntar para algum trabalhador. Todos são muito gentis e carismáticos. Quem trabalha lá tem amor pelo que faz e alegria ao receber o visitante é o mais bacana de tudo.

No site é possível verificar mais informações sobre o espaço e ainda sobre quais as lojas disponíveis e horários para visitar. Há também uma opção de visita guiada, com guia da instituição, o que facilita o passeio e as compras. Também é possível realizar eventos. Tudo isso pode ser visto com a administração.